Maracatu Nação Fortaleza

MOCAMBO

Calé Alencar – Por Todos os Santos

16º. disco autoral de Calé Alencar, apresenta loas que abordam temas ligados à religiosidade e dedicados a entidades espirituais afrobrasileiras, indígenas e católicas. Parte do repertório é constituído de loas apresentadas pelos maracatus Nação Fortaleza e Nação Baobab nos desfiles do carnaval de rua, além de canções criadas a partir de temas que enfocam temas religiosos com uma visão plural e inclusiva. Escolas, bibliotecas públicas e instituições interessadas em obter exemplares podem solicitar o álbum através do email calealencar@gmail.com

Afrânio de Castro Rangel – Loas de Maracatu

Afrânio de Castro Rangel é compositor e atuou como brincante do maracatu nas décadas de 1950 e 1960. Nascido em Fortaleza, em 21 de julho de 1934, desfilou pela primeira vez como integrante do cordão de negras do Maracatu Estrela Brilhante. No ano seguinte desfilou como Rainha, participando em seguida dos maracatus Leão Coroado e Az de Espada, onde encerrou seu ciclo carnavalesco no ano de 1964. Lançado em 2012, Afrânio de Castro Rangel – Loas de Maracatu é o terceiro volume da Coleção Bate o Bumbo e reúne parte considerável do repertório de loas apresentado nos desfiles do carnaval de rua, resgatando um importante momento da memória musical dos maracatus da capital cearense.

Maracatus no Ceará – Sentidos e Significados - Danielle Maia Cruz

Escrito pela doutoranda em Sociologia Danielle Maia Cruz, Maracatus no Ceará – Sentidos e Significados é resultado da dissertação de mestrado em Sociologia realizada entre 2006 e 2008. O objetivo da autora é entender a dinâmica dos maracatus cearenses e como tal manifestação se revela como espaço político de reivindicação de visibilidade e direitos. A autora pesquisou o Maracatu Nação Iracema, mostrando como esta prática cultural se apresenta para seus dirigentes como ferramenta de afirmação da negritude. Para compreender a dinâmica dos maracatus e os discursos em torno da “origem” destes grupos no Ceará, Danielle Maia realizou um levantamento histórico, conversou com pessoas envolvidas no universo dos maracatus cearenses e esteve em Recife, onde conversou com brincantes pernambucanos e entrevistou o mestre Manuel Salustiano Soares, do Maracatu Piaba de Ouro.

Descartes Gadelha – Ritmos de Luz

Compositor, escultor e artista plástico dos mais conceituados no universo artístico cearense, Descartes Gadelha tem participado do carnaval de rua em Fortaleza desde a década de 1960, atuando como brincante em diversos blocos, escolas de samba e maracatus. Ritmos de Luz é o registro de seu repertório criado para os maracatus Axé de Oxóssi, Nação Baobab, Nação Iracema, Solar, Vozes da África e o afoxé Filhos de Oyá. Criador de intensa contribuição ao repertório carnavalesco, Descartes Gadelha conta neste trabalho com participações de destacados intérpretes do ambiente musical cearense, entre os quais Inês Mapurunga, Calé Alencar, Wilton Matos, Pingo de Fortaleza, Eliahne Brasileiro, Brenner Paixão e Fernando Néri.

Coleção Bate o Bumbo – Volume I

Primeiro volume da Coleção Bate o Bumbo, o disco Mestre Juca do Balaio é o registro da trajetória musical de Joaquim Pessoa de Araújo, cearense nascido em Cedro, iniciado no maracatu ao final da década de 1930 e falecido em 2006. Criador e tirador de loas no carnaval de rua da capital cearense, Mestre Juca do Balaio é homenageado em um disco que apresenta parte significativa da obra deste Mestre da Cultura, reconhecido oficialmente pelo Governo do Estado. Mestre Juca do Balaio inclui macumbas compostas e adaptadas por Raimundo Alves Feitosa, fundador do Maracatu Az de Ouro, grupo ao qual Mestre Juca dedicou grande parte de sua memorável carreira como brincante do maracatu. O disco conta com a participação do batuque do Maracatu Az de Ouro e dos cantores e compositores Calé Alencar e Pingo de Fortaleza.

Coleção Bate o Bumbo – Volume II

Sexto disco solo do cantor e compositor Calé Alencar, Costumes & Diversões é o segundo volume da Coleção Bate o Bumbo, apresentando experiências do autor com vários estilos de batuques do maracatu cearense e também criando uma linguagem própria na exploração de ritmos e timbres extraídos de elementos não convencionais como plástico, madeira e outros materiais reaproveitáveis, além de incluir influências rítmicas do samba, toré, coco, rap, calipso, baque virado e ijexá, associando a estes ritmos a inconfundível marca que ele mesmo criou para o batuque do Maracatu Nação Fortaleza. Costumes & Diversões conta com participações especiais de Descartes Gadelha, Eliahne Brasileiro, Francisco Ramos, Maria Militão, Mestre Juca do Balaio, Pantico Rocha e Pingo de Fortaleza.

Calé Alencar 15 Anos 15 Loas + 1 Hino

Disco comemorativo dos 15 anos de dedicação do cantor e compositor Calé Alencar ao carnaval de rua em Fortaleza, 15 Anos 15 Loas +1 Hino apresenta a produção musical do artista criada para ilustrar temas de desfiles dos maracatus Nação Fortaleza, Az de Ouro, Nação Baobab e Vozes da África. Tendo participado pela primeira vez do carnaval da capital cearense em 1995, interpretando a loa Um Canto de Amor aos Orixás, criação de Descartes Gadelha, Calé Alencar tem registrado sua produção de loas em vários discos, além de produzir obras coletivas contemplando o repertório de grupos carnavalescos, sendo um dos mais profundos pesquisadores do maracatu cearense.

Maracatu Nação Fortaleza - É de Bambaliê

Vice-campeão de maracatus nos desfiles do carnaval de Fortaleza, em 2009 e 2010, o Maracatu Nação Fortaleza é o primeiro grupo do carnaval cearense a registrar sua produção musical em disco, resultado da premiação no Edital de Culturas Populares do Ministério da Cultura e no Edital de Incentivo às Artes da Secult - Ceará. O disco É de Bambaliê, registro do repertório apresentado pelo Maracatu Nação Fortaleza nos desfiles carnavalescos do período de 2005 a 2010, traz ainda loas e batuques incluídos nas apresentações do grupo, nas quais são incluídas criações de Calé Alencar, Afrânio de Castro Rangel e Raimundo Alves Feitosa.

Maracatus & Batuques

Reunindo 36 loas e batuques característicos de maracatus, congos e xangôs existentes em Fortaleza no período de 1943 a 2000, Maracatus & Batuques é o primeiro registro de compositores e tiradores de loas participantes do carnaval de rua da capital cearense. Produzido por Calé Alencar e Rosemberg Cariry no ano de 2000, resultado de ampla pesquisa musical incluindo gravações realizadas por ocasião dos desfiles à época do carnaval, Maracatus & Batuques é o quinto disco da Coleção Memória do Povo Cearense, viabilizado com apoio do Governo do Estado do Ceará e do Instituto da Memória do Povo Cearense.

Loas de Maracatu - Cantigas de Liberdade

Idealizado para comemorar dez anos de participação do cantor e compositor Calé Alencar como autor e tirador de loas no carnaval de rua, Loas de Maracatu Cantigas de Liberdade promove o registro de loas apresentadas no período de 1995 a 2005 pelos maracatus Nação Baobab, Vozes da África, Az de Ouro e Nação Fortaleza. Responsável por 14 das 16 loas apresentadas no disco, entre as quais as inéditas Leão Coroado, Estrela da Rua e Rainha Negra do Maracatu, Calé Alencar inclui Estrela Brilhante, em parceria com Carlos Pitta, e Um Canto de Amor Aos Orixás, composta por Descartes Gadelha para o desfile inaugural do Maracatu Nação Baobab.

Dragão Vivo

A idéia de registrar ao vivo o show dos cantores Calé Alencar, Dilson Pinheiro & Pingo de Fortaleza nasceu durante o projeto Dragão do Mar 160 Anos Luz, concebido em 1999 para festejar os 160 anos do líder abolicionista cearense Francisco José do Nascimento. Os artistas garimparam loas e batuques, afoxés e balanceios, ritmos que expressam a herança da cultura afro-descendente presente na arte do povo cearense. Concebido para ampliar a visibilidade dos ritmos do maracatu cearense, Dragão Vivo, lançado em 2000, traz como música de abertura o Hino Oficial do Estado do Ceará, composto por Alberto Nepomuceno & Tomás Lopes.

Calungas de Chico Batista

Artesão e brincante de maracatu desde o ano de 1979, Chico Batista participou dos maracatus Az de Ouro e Nação Baobab, tendo sido um dos fundadores do Maracatu Nação Fortaleza, grupo do qual fez parte até sua morte, em 2008. Nascido em Senador Pompeu, deu sua notável contribuição à cultura afrobrasileira criando peças e adereços e ilustrando temas e enredos de agremiações carnavalescas com sua criatividade e talento. Suas calungas, representando o cortejo do maracatu e personagens da cultura e da história do Ceará, fazem parte de coleções e acervos espalhados pelo Brasil e pelo exterior, sendo confeccionadas a partir de vários materiais, incluindo tecido, madeira, fio de cobre, bonequinhos de plástico, algodão, durepox, cola fórmica e aviamentos. Parte considerável de suas peças estão em permanente exposição na sede da Associação Cultural Maracatu Nação Fortaleza.

Ispaia Brasa, o bloco que foi escola - Sérgio Pires

A pesquisa de Sérgio Pires é um exemplo da importância e da oportunidade do livro reportagem. É quando o jornalista pode se afastar das contingências e cobranças da pauta e fazer um trabalho autoral. Neste caso, o texto está marcado, favoravelmente, pelas citações que atestam uma pesquisa bibliográfica, pelas entrevistas e pelos relatos dos que fizeram a história das escolas de samba e dos maracatus. Ele abre novas frentes e mostra que este gênero, pouco desenvolvido entre nós, permite uma fruição agradável sem perder de vista toda uma estrutura que vai nos trazer a guerra dos tamborins contra os atabaques, a herança versus a imposição